Av. Professor Manuel de Abreu, 850
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
De Segunda à Sexta das 08h às 18h
Nosso Expediente

O RESGATE DA DIGNIDADE DOS TRABALHADORES DO BRASIL

Editorial do Presidente

O Resgate da Dignidade dos Trabalhadores do Brasil

EUSÉBIO PINTO NETO – 2018 chegou e com ele a perspectiva de grandes desafios para todos nós trabalhadores e trabalhadoras. Esse governo ilegítimo e sem votos, trouxe grandes prejuízos para a economia, com grande impacto na área de serviços e comércio, onde atua nossa categoria. A retirada do financiamento sindical prejudicou muito os investimentos em manifestações de rua, que demandam custo de carro de som, material gráfico, etc.

editorial do presidente do sinpospetro-rjAssim que forem retomados os trabalhos legislativos o governo golpista tentará impor a todos nós mais uma derrota no parlamento, quando já em fevereiro, promete votar a Reforma da Previdência. É hora de o Movimento Sindical fazer autocrítica e refletir, para falarmos todos a mesma língua, de forma unitária, construirmos uma agenda positiva e sem ilusões.

Nossa principal arma é o protesto, só exigindo e enfrentando nas ruas podemos barrar os ataques. Após décadas de tentativas finalmente conseguiram, a elite e o patronato estão tendo êxito em aprovar um projeto antitrabalhador que rasga a CLT e a Previdência Social, aprofundando a exploração.

Nosso contra-ataque e resistência demandam organização, unidade e conscientização, nesse contexto a eleição de 2018 será importantíssima. Precisamos alterar a correlação de forças no parlamento, se não contarmos com a maioria de deputados e senadores pró-trabalhador continuaremos reféns das elites e do presidente da República, seja ele quem for.

Nosso país continua tendo grande potencial para o desenvolvimento econômico, precisamos investir em grandes obras de infraestrutura, somos um país de dimensões continentais, riquezas naturais não nos faltam, nossa agricultura tem potencial para ser a mais forte do mundo. Temos um grande mercado consumidor com uma população de aproximadamente 210 milhões de pessoas.

O próximo mandatário da nação precisa ser um político que resista às investidas do grande capital, não pode ser um vendilhão da pátria entreguista. Conscientemente temos que lutar para eleger alguém compromissado com as causas populares, assim teremos condições de reverter essas nefastas “reformas” e tudo que comprometa nosso futuro de progresso, prosperidade, direito social e qualidade de vida. Para isso o movimento sindical precisa assumir sua responsabilidade de agente transformador da realidade social.

O próximo governante eleito pelo voto popular precisará investir em ciência e tecnologia, outros países considerados de primeiro mundo estão anos luz a nossa frente, na chamada era da “A Quarta Revolução Industrial”, impulsionada por um conjunto de tecnologias como robótica, inteligência artificial, realidade aumentada, big data (análise de volumes massivos de dados), nanotecnologia, impressão 3D, biologia sintética e a chamada internet das coisas (onde cada vez mais dispositivos, equipamentos e objetos serão conectados uns aos outros por meio da internet). Algumas dessas inovações estão em sua fase embrionária e ainda não mostraram todo o seu potencial.

Precisamos ingressar nesse grupo ou perderemos outra vez o bonde da história, continuaremos renegados, tutelados e explorados. Esse futuro investimento precisará estar a serviço da maioria da população, educação é a palavra chave para retomarmos um projeto de nação. Sem investimento em educação, as futuras gerações estarão despreparadas, fora do mercado de trabalho, não existe nação soberana sem povo politizado e com alto índice educacional.

O resgate da dignidade do Trabalhador também passa por investimento adequado nas Forças Armadas, afinal de contas, são eles que cuidam das nossas fronteiras e riquezas naturais. Hoje não faltam ONGS, missionários, religiosos, defensores de índios, todos com o objetivo de nos roubar, levando nossas riquezas naturais e biodiversidade para fora do país.

Precisaremos ter habilidade, firmeza e saber impor nossos interesses internacionais enquanto nação. Esse retrocesso que esta acontecendo no país é justamente fruto dessa inoperância e servilismo do desgoverno federal, frente ao capitalismo globalizado.

O Movimento Sindical precisa cumprir o dever de lutar contra essas investidas e retrocessos, chegou a hora de redefinirmos nossas ações de forma inteligente, sem perder a capacidade de negociar e dialogar, intensificando a conscientização política nas bases para arregimentarmos e ampliarmos nosso exercito de lutadores, formando quadros que estejam tanto nas ruas quanto no parlamento fazendo política que beneficie a classe trabalhadora.

Basta, precisamos chutar essa “gente” sem ética e moral, que formam quadrilhas no Executivo, Legislativo e Judiciário, afrontando a inteligência e a dignidade do nosso povo humilde e trabalhador. O resgate da dignidade dos Trabalhadores brasileiros depende principalmente de unidade, organização e resistência do Movimento Sindical, essa é a receita de luta para 2018!

 

presidente do sinpospetro-rjEusébio Luis Pinto Neto é frentista
Presidente do SINPOSPETRO-RJ e Diretor de Formação da Fenepospetro