Av. Professor Manuel de Abreu, 850
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
De Segunda à Sexta das 08h às 17h
Nosso Expediente

Ação de frentistas evita acidente de grande proporção em posto na Zona Norte do Rio

A qualificação profissional e a presença de espírito dos trabalhadores do Auto Posto Quatro Irmãos foram essenciais para evitar uma explosão de grandes proporções, nesta terça-feira (26). A área de abastecimento do posto, que fica no bairro do Rocha, na Zona Norte do Rio, ficou totalmente destruída com a explosão de um cilindro de GNV. Duas pessoas ficaram feridas. Elas estavam fora do carro durante o abastecimento. O motorista do carro, Mario Magalhães, de 67 anos, teve a perna e o braço direto amputados e está internado em estado grave, no Hospital Salgado Filho. A esposa, Andrea Maria Costa Tavares, teve ferimentos leve.

Caso o posto fosse operado por bombas de autosserviço, o fim da história seria bem pior. No momento do acidente, cinco frentistas e o gerente estavam na pista, nenhum deles se feriu. O gerente Mário Canijo realizou o curso da NR 20 há menos de seis meses. Ele disse que na hora da explosão os frentistas correram para desligar as bombas e afastaram os clientes da área de abastecimento. Foi tudo muito rápido, mas a gente conseguiu evitar uma tragédia maior. Isso só foi possível por causa do curso da NR 20. Não dá para imaginar hoje posto sem frentista, disse.

A vice-presidente do SINPOSPETRO-RJ, Aparecida Evaristo, e o diretor Vinicius Mendonça, acompanharam o trabalho de perícia da Polícia Civil e as vistorias realizadas pelos fiscais da prefeitura do Rio de Janeiro e do INEA (Instituto Estadual do Ambiente).

Os diretores do sindicato se colocaram à disposição dos trabalhadores, que por causa do acidente, ainda não sabem quando vão retornar às atividades. Eles orientaram os frentistas sobre a importância dos cursos de qualificação profissional, para garantir a segurança e saúde no ambiente de trabalho.

LEI MUNICIPAL GNV
O prefeito Eduardo Paes sancionou, em setembro de 2021, a Lei 7024, que proíbe os postos de combustíveis de abastecer com GNV os veículos que não apresentam selo do INMETRO com prescrição de validade. A multa para o estabelecimento que descumprir a lei é de R$ 500,00.

LEI ESTADUAL GNV
De acordo com a Lei 7949, os postos são obrigados a fixar avisos proibitivos sobre pessoas no interior do veículo, enquanto houver o abastecimento de GNV. O posto que descumprir a norma pode ser multado em 500 UFIR-RJ.

FISCALIZAÇÃO
Para o Presidente do SINPOSPETRO-RJ e da Federação Nacional dos Frentistas, Eusébio Pinto Neto, a falta de fiscalização é a principal causa dos acidentes em postos de combustíveis. Segundo ele, o número de acidentes com GNV só não é maior porque o sindicato lutou para criar leis, que regulamentam o abastecimento do gás natural veicular. Essas leis protegem os trabalhadores e o consumidores.

Eusébio Neto destaca que a norma regulamentadora nº 20, revisada por uma comissão tripartite — formada por representantes do governo, dos trabalhadores e dos patrões — foi importante para garantir o treinamento dos frentistas. A NR 20 permite que o frentista tenha conhecimento do ambiente de trabalho para saber agir em casos de acidentes e riscos.

O presidente do SINPOSPETRO-RJ denuncia que os acidentes acontecem por falha na fiscalização. O atual governo precarizou as fiscalizações ao incentivar à desobediência civil. O GNV precisa ter vistoria frequente porque é altamente explosivo. A fiscalização não cabe apenas ao maquinário nos postos de combustíveis, mas sobretudo nas empresas que fazem a conversão nos veículos. A adaptação dos cilindros de GNV aos carros não pode ser feita em qualquer esquina. Não podemos colocar a vida de ninguém em risco, principalmente dos trabalhadores de postos de combustíveis que estão mais expostos e vulneráveis, frisou.

AUTOSSERVIÇO
Vários projetos tramitam no Congresso Nacional para derrubar a Lei 9.956/2000, que proíbe o autosserviço nos postos de combustíveis de todo país. As propostas, defendidas pelas distribuidoras e grandes redes de postos de combustíveis, põem em risco, não só o emprego dos 500 mil frentistas no país, mas também a vida do cliente.

Esse acidente triste, mostra o quanto é importante a presença de um profissional treinado e qualificado em casos de emergências. O consumidor não tem qualquer treinamento para manusear produtos inflamáveis e tóxicos. O posto é um local altamente periculoso e insalubre.

Por Estefania de Castro
Design Mylena Campos