Av. Professor Manuel de Abreu, 850
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
De Segunda à Sexta das 08h às 17h
Nosso Expediente

Aumento dos juros: remédio errado e desnecessário

A Força Sindical criticou nesta quarta-feira(3) a elevação da taxa Selic (juros básicos da economia) para 13,75% ao ano. Em nota, a entidade destacou que o aumento da taxa de juros anunciado pelo Copom (Comitê de Política Monetária) é um remédio desnecessário, errado, com efeitos colaterais indesejados, irreversíveis, graves e nefastos, como o comprometimento da produção, o arrefecimento da intenção de consumo, resultando em drástica queda no comércio e indústria.

Infelizmente, o Banco Central perdeu uma ótima oportunidade de estimular a criação de empregos, a produção e o consumo. A decisão de aumentar, novamente, a taxa fortalece os obstáculos ao desenvolvimento do País com distribuição de renda.

A crise é dolorosa para os trabalhadores, que, além de sofrerem com o aumento do desemprego, amargam altas taxas de juros e a redução criminosa dos seus diretos e de sua proteção social.

Entidades do setor produtivo criticam alta da Selic
Para entidades da indústria, a decisão do Comitê de Política Monetária atrasa a recuperação da economia, aumentando custos e reduzindo a produção, o consumo e o emprego.

Em nota, a Confederação Nacional da Indústria (CNI) classificou o aumento da Selic de “equivocado”. Para a CNI, o Banco Central (BC) não precisaria aumentar os juros porque medidas recentes, como a redução de impostos sobre energia elétrica, combustíveis, telecomunicação e transporte coletivo estão fazendo a inflação cair.

A Federação das Indústrias do Rio de Janeiro (Firjan) informou que “considera inadequada a decisão do Banco Central .
Força Sindical e Agência Brasil