Av. Professor Manuel de Abreu, 850
Vila Isabel - Rio de Janeiro - RJ
De Segunda à Sexta das 08h às 17h
Nosso Expediente

BRASILEIRO CORTA NA CARNE A FERIDA ABERTA PELA IGNORÂNCIA

Brasileiro corta na carne a ferida aberta pela ignorância

Para despertar é preciso dormir e nem sempre temos bons sonhos.

A menos de três meses das eleições, o brasileiro começa a se encher de confiança para acordar do pesadelo que o atormenta desde o golpe de 2016.

A semana inicia na certeza de que a luta —pela democracia, direitos, dignidade e por maior igualdade e respeito —vai vencer a falta de perspectiva e a maldade do governo Bolsonaro.

O povo está pagando caro, literalmente, para sobreviver com os desmandos do capitão zureta que tenta implodir o país ao colocar em xeque às urnas eletrônicas.

Promove a balbúrdia para passar a boiada. Nunca, em toda a história da redemocratização, um presidente usou descaradamente a máquina administrativa para se reeleger.

Quer ganhar votos com a fome do povo. O mesmo voto que tenta desacreditar. É a política do falastrão, do toma lá da cá.

A carestia entrou na casa do brasileiro arrombando à porta. O custo de vida está muito alto. Pesquisa do Datafolha mostra que um em cada três brasileiros afirma que a quantidade de comida em casa, nos últimos meses, não foi suficiente para alimentar a família. Estamos falando de pessoas com casa e alguma renda.

Mas quando chegamos aos mais vulneráveis o cenário de horrores nos remete ao Brasil senzala.

Na semana passada, um menino de 11 anos ligou para o 190 da Polícia Militar de Belo Horizonte, Minas Gerias, para pedir socorro. A emergência da criança era a fome.

A mãe desempregada relatou ao policial que estava há três semanas sem comprar alimentos. O menino é mais um entre os 33 milhões de pessoas que hoje passam fome no país.

Não podemos permitir mais retrocessos. Tropeçamos e caímos no abismo.

Chegamos ao fundo do poço. O brasileiro está mergulhado em dívidas. Mais de 66 milhões estão com alguma conta em atraso.

Com a desculpa de conter a inflação, o governo promove a farra dos investidores, que lucram com a alta da taxa de juros. Enquanto isso, desestimula o crescimento da economia, eleva os custos dos crediários, dificulta a geração de empregos e compromete a renda tão corroída do trabalhador.

A expressão “vender o almoço para comprar a janta” não cabe mais no vocabulário do brasileiro, porque faltam as duas refeições no prato.

A quantidade de carne bovina consumida no mercado interno brasileiro é a menor em 26 anos.

E por permitir que a vaca fosse para o brejo temos, agora, a obrigação e o dever moral de tirar o Brasil desse atoleiro. Mesmo que a gente tenha que cortar na carne a ferida aberta pela ignorância.

É preciso unir forças para restaurar a democracia e assegurar as eleições no país.

Dois manifestos, um criado pela Faculdade de Direito da USP e outro pela Fiesp, serão divulgados nesta semana.

Eu e mais de 780 mil brasileiros já assinamos o manifesto que une sindicalistas, empresários, banqueiros, artistas, políticos, advogados, integrantes da magistratura e do Ministério Público.

O Brasil é um país rico e de imensidão continental, por isso não pode ser governado com deboche e desrespeito.

Não escrevemos cartinha como disse o presidente. Estamos escrevendo a nossa história de resistência, cidadania e liberdade.

A semana é grande e promete! É a na luta que a gente se encontra!

 

presidente do sinpospetro-rjEusébio Luis Pinto Neto é frentista
Presidente do SINPOSPETRO-RJ e da FENEPOSPETRO